seta

521 postagens no blog

Estreou em 1973 como repórter do Diário de Pernambuco, do qual foi redator e editor setorial. Foi editor-geral do Diário da Borborema-PB, Jornal de Hoje e Jornal de Alagoas. Foi colunista político e editorialista de O Jornal. Exerceu os seguintes cargos: Coordenador de Comunicação da Assembleia Legislativa de Alagoas, Delegado Regional do Ministério do Trabalho, Secretário de Imprensa da Prefeitura de Maceió e Secretário de Comunicação de Alagoas. Atualmente é editor-geral do PRIMEIRA EDIÇÃO.

Bolsonaro x Haddad - a batalha final

15/10/2018 08:43

Desfecho conhecido? Não. Como no futebol, eleição só termina com o apito final – das urnas. A vantagem de Bolsonaro (21 milhões de votos) é grande, enorme, mas ainda existe campanha e no trajeto até o dia 28 não existe vacina contra intercorrências.

Fernando Haddad tem vantagem no Nordeste e parte do Norte. O seu desafio será demonstrar, de forma convincente, que sua eleição será capaz de repetir os avanços – sobretudo no terreno social – que marcaram o governo do ex-presidente Lula. O forte do PT se localiza justamente entre os eleitores mais pobres e menos escolarizados, portanto, os que constituem a maioria da população. São os grandes beneficiários dos programas sociais que Lula criou ou reformou, a exemplo do Bolsa Família. Além do mais, Haddad é um candidato leve, sabe se comunicar e ganhou identidade própria no primeiro turno.

Jair Bolsonaro, que teria levado já no domingo passado se tivesse transferido para si pouco mais de dois por cento dos votos atribuídos aos demais candidatos, tem argumentos fortes para a batalha final. Deve, por exemplo, descredenciar toda promessa de Haddad com uma simples evocação: por que Lula não fez? Por que Dilma não fez? E por que o próprio candidato petista não fez, quando prefeito de São Paulo e como ministro da Educação?

Bolsonaro tem a vantagem de nunca ter sido governo, o que o deixa fora do alcance de críticas sobre gestão. O eleitor, que pode avaliar criticamente quase 14 anos de governo do PT, não pode fazer o mesmo com relação ao capitão reformado. E justamente por isso, as propostas e os planos de Bolsonaro tendem a ganhar mais força e credibilidade na avaliação do eleitorado.

Intercorrências, desvios de rumo, incidentes de campanha podem acontecer, mas qualquer observador – isento – dirá que o segundo turno está muito mais para Bolsonaro do que para Haddad. Ainda mais que, desde a redemocratização nos anos 80, nenhum candidato presidencial passou para o turno final em vantagem e foi derrotado. Não é certeza matemática, mas é ‘certeza’.

 

RENAN COTADO

Reeleito com mais de 621 mil votos, Renan Calheiros já tem o nome especulado para disputar a presidência do Senado. O alagoano já presidiu o Congresso Nacional quatro vezes.

 

SEM EXPLICAÇÃO

E as pesquisas, hein? Garantiam Dilma e Eduardo Suplicy em primeiro lugar para o Senado, em Minas e São Paulo. Os dois perderam. Dilma, pobre Dilma, deve estar sofrendo muito.

 

RF MANTÉM COMPROMISSO COM PT ATÉ O FIM

Renan Filho (assim como o senador Renan) cumpriu com total lealdade seu compromisso com o PT. Enquanto Lula manteve o nome como candidato, esteve com Lula. Quando Fernando Haddad assumiu a candidatura petista, fez campanha e pediu voto para Haddad. O governador mantém vivo seu apoio no segundo turno, indiferente à vantagem do capitão Bolsonaro.

 

 

CONCURSOS ANUAIS

Na comemoração da vitória, Renan Filho se voltou para a turma que luta para entrar no serviço público: a partir de agora, o governo vai realizar concurso todo ano em diversas áreas.

 

PRIORIDADES

O governador vai definir os setores que terão seleção pública, mas já antecipou que a prioridade será a segurança, a saúde e a educação. É uma revolução no mercado de trabalho alagoano.

 

MESTRE, TAMBÉM, COMO ANALISTA POLÍTICO

A eleição presidencial deste ano projetou o advogado Adriano Soares Costa como afiado analista político. Desde o início da campanha postou sucessivos textos mostrando, com visão analítica e impressionante acuidade, porque Bolsonaro ganharia a disputa. Mestre do Direito Eleitoral, com obras não raro citadas por ministros dos tribunais superiores incluindo o Supremo, Adriano Soares deu show como comentarista político.

 

PESO DA COLIGAÇÃO

O sistema proporcional derrotou Ronaldo Medeiros. O deputado do MDB teve 24 mil votos e perdeu para Sílvio Camelo, que ficou com 15 mil. Medeiros não suportou o peso da coligação.

 

ONDA COLLORIDA

O vereador Samir Malta queria ser deputado estadual. Trabalhou para isso. De repente, foi envolvido por Collor, ‘escanteado’, e ficou na saudade. Resta lutar para não perder o que tem em 2020.

 

SEM CARGOS, OS ‘NEUTROS’ APARECERAM

Com Bolsonaro exibindo uma montanha de votos à frente de Haddad, por que será que os dirigentes partidários preferiram ficar em cima do muro, assumindo a popular ‘neutralidade’? Simples: porque o candidato mais próximo da vitória avisou que não negociaria cargos com os partidos. Ou seja, a ‘neutralidade’ apenas trouxe à luz a turma acostumada ao oferecer apoio em troca de participação nos governos.

 

IDEIA SEPULTADA

O eleitor preservou o Cesmac de uma sandice: João Caldas, pai, prometeu defender uma lei para estadualizar a Fundação Jayme de Altavilla. Ainda bem, o povo sepultou a infeliz ideia nas urnas.

 

BOM QUADRO

Situação previsível, Renan Filho já adiantou que convidará Maurício Quintella para compor o novo governo. O deputado do PR foi o terceiro mais votado na batalha pelo Senado Federal.

seta

Quem ganhou e quem perdeu a eleição em Alagoas

08/10/2018 12:14

RENAN FILHO (MDB)

Campeão de votos. Sua reeleição tem sabor de consagração popular. Pura aclamação. Governo aprovado, gestão reconhecida, competência premiada. Sai desta sucessão como o novo líder político de Alagoas, líder regional com projeção nacional. Sua votação histórica o que coloca entre os grandes vitoriosos no cenário nacional. Deu lição de coerência e lealdade. Sua aliança com Lula e o PT foi sincera e garantiu a vitória de Fernando Haddad no Estado. Sai da eleição como um cíclope – tendo a sua frente um adversário apequenado, quase microscópico.

 

RENAN CALHEIROS (MDB)

É o grande mentor de todo o processo. Em 2014 conduziu a eleição de Renan Filho derrotando Biu de Lira. Como presidente do Congresso Nacional viabilizou a renegociação da dívida de Alagoas com a União. Com as finanças equilibradas, fruto também do ajuste fiscal, o governo de RF pôde fazer o que muitos achavam impossível. Suportou firme os ataques de Rui, as provocações gratuitas sem se deixar abalar. Sua vitória, a quarta ao Senado, prova que o povo não é bobo. O povo sabe quem faz e quem fala...

 

RUI PALMEIRA (PSDB)

O grande derrotado destas eleições. Teve medo de enfrentar Renan Filho. Foi eleito prefeito em 2012 com o principal adversário – Ronaldo Lessa – sub judicie. Em 2016 foi reeleito com Cícero Almeida denunciado pela Máfia do Lixo. Agora, esperou até a undécima hora por algum míssil dos tribunais de Brasília contra Renan Filho. Quando viu que não havia nada contra o governador, saiu de fininho. Tentou jogar Rodrigo Cunha na fogueira da sucessão. Não deu. Empurrou Collor, não deu. Aí, valeu-se de Pinto...

 

RODRIGO CUNHA (PSDB)

Foi o beneficiário do protesto popular. Recebeu o voto do indignado, do descrente, do inconformado, do pesaroso com sua condição de órfão de mãe chacinada. Teria perdido tudo, se tivesse ouvido o apelo de Rui para disputar o governo. Mas preferiu dar ouvidos a Teotonio Vilela, raposa velha, três vezes senador e duas governador. Téo salvou Cunha. Mas só o futuro dirá se Cunha atuará como representante de Alagoas ou como ‘oposicionista indignado’. Se será um político prático ou um discursista.

 

BIU DE LIRA (PP)

Não se deu conta do óbvio: nas duas vagas de senador não caberiam três ou quatro concorrentes. Era primário entender duas coisas: uma vaga seria da situação e a outra, da oposição. Subestimou Cunha? Errou – erro primário – ao avaliar que derrotaria Renan Calheiros. Sua situação complicou de vez depois que Rui entrou no Guia Eleitoral com um discurso raivoso e odiento. O prefeito o arrastou para o abismo da derrota.

 

TÉO VILELA (PSDB)

Ajudou a derrotar Biu, ao lançar Cunha ao Senado. Poderia ter convencido o rapaz de Arapiraca a disputar um mandato de deputado federal. Perdeu, no final, ao pedir voto para Biu, colocando-se contra Renan Filho, que atendeu seus pedidos pessoais, feitos ao deixar o governo no final de 2014. Agora, pediu voto para Benedito, atendendo Rui, mas sabia que o velho Biu estava perdido. Seu sobrinho Pedro Vilela perdeu o mandato de deputado federal. Esvaziou-se politicamente, fechou seu ciclo com o PSDB exibindo sinais de desintegração...

 

FERNANDO COLLOR (PTC)

Na última hora, escapou de um vexame eleitoral histórico. As pesquisas internas o salvaram. Entrou no jogo do Rui para avaliar seu potencial, mirando 2022. Em vinte dias se deu conta de que o barco do tucano estava furado. Se insistisse, seria massacrado nas urnas. Triste ocaso, desenlace penoso para quem havia sido de prefeito de Maceió a presidente da República. Em 2022 terá de abrir mão do Senado e disputar uma vaga na Câmara, por motivos mais do que óbvios...

 

PINTO DE LUNA (PROS)

Considerando o papel que aceitou desempenhar, junto com Rui, não há o que comentar.

 

MAURÍCIO QUINTELLA (PR)

Agiu como homem de coligação. Sua candidatura foi uma resposta ao lançamento de Cunha e Biu. Por isso, desempenhou papel fundamental a favor do senador Renan. Sua ausência poderia conduzir o segundo voto de Renan para Biu ou mesmo para Cunha. Na reta final, ficou clara sua disputa direta com Biu de Lira. Deputado federal, ex-ministro, jovem e experiente, tem requisitos para compor o próximo governo de Renan Filho.

 

BURRICE COLETIVA

Sob o comando de Rui Palmeira, a oposição deu um show de incompetência. Tentaram derrotar o senador Renan com ataques pessoais. Burrice coletiva. Não era preciso ser gênio: bastava pedir que o eleitor de Cunha desse o segundo voto ao Biu... pequena sutileza com efeito bombástico. Trocaram a inteligência pela força. Preferiram atacar um líder cercado de eleitores convictos... De leve, Maurício Quintella ensinou: pediu o segundo voto dos demais e, assim, derrotou Biu. Teria sido o segundo eleito não fosse o voto de protesto atribuído a Cunha.

 

seta

No desespero, Rui parte para insultos e tira voto de Benedito de Lira

02/10/2018 13:06

Na reta final da eleição, os comentários nos bastidoresd convergem para um ponto: o injustificado ataque de Rui Palmeira ao senador Renan, exibido em rádio e televisão, afetou a estabilidade da campanha e está produzindo ‘efeito contrário’, ou seja, tirando votos do senador Benedito de Lira. Analistas políticos avaliam que o prefeito fez ‘provocação gratuita’ para obter um ‘revide pesado’ de Renan, mas o senador ignorou a investida, ficou em silêncio e seguiu com sua campanha. Na última pesquisa do Ibope, Biu apareceu em 3º lugar no Estado, mas em 4º na capital.

DESTEMPERO

Enquanto analistas políticos avaliam o destempero verbal como ‘claro sinal de desespero’, continua repercutindo, negativamente, o ataque desferido pelo prefeito Rui Palmeira contra o senador Renan Calheiros, que preferiu ignorar a provocação.

Já há quem avalie que, após a virulenta intervenção do prefeito, a situação de Benedito de Lira poderá se complicar mais ainda, já que a grande maioria do eleitorado não está querendo ouvir desaforos nem ataques pessoais, mas propostas e projetos que possam melhorar as condições de vida do alagoano.

Observadores políticos acham que, sentindo-se previamente derrotado para o governo, Rui teria resolvido partir para um ‘tudo ou nada’, atacando o senador Renan apenas para provocar uma reação e expô-lo com um revide perante os eleitores.

A situação de Biu de Lira nunca esteve confortável, no atual processo eleitoral: antes do início da campanha, as pesquisas de intenção de voto o mostravam, quase sempre, em terceiro lugar, atrás do senador Renan e do ex-governador Teotonio Vilela.

Em cima da hora, por motivos pessoais, Vilela retirou-se da disputa, mas incentivou a candidatura do deputado estadual de Rodrigo Cunha, o que produziu um efeito colateral desastroso dentro da coligação: enquanto Cunha cresceu, junto com o senador Renan, Biu de Lira despencou, ficando em terceiro lugar, mas muito distante dos concorrentes líderes da maratona.

Uma fugaz aparição de Vilela ao lido de Benedito, em Delmiro Gouveia, teria sido simplesmente um gesto de admissão de que, com a entrada de Cunha, com seu incentivo, Téo Vilela acabou por inviabilizar a reeleição do presidente regional do PP.

Rui Palmeira, que também teve participação no processo de escolhas do bloco oposicionista, valeu-se da condição de ‘franco atirador’, ou seja, alguém que nada tem a perder nesta campanha, e partiu para algo que nega seu estilo visto até aqui: a agressão verbal própria de quem se acha perdido numa disputa eleitoral.

Entre observadores da cena política, há até quem vaticine um futuro político muito complicado para o prefeito de Maceió: além de derrotado na disputa pelo governo do Estado – a mais importante de todo o processo – Rui daqui a dois anos estará sem mandato e sem cargo público, e sabe que terá muita dificuldade para reconquistar um mandato na eleição de 2022, principalmente em função do desgaste que sofrerá após concluir seu atual mandato de prefeito, bem mais fraco do que o primeiro. (Com Primeira Edição Impresso).

 

seta

O ataque de Rui e a lição superior do senador Renan

28/09/2018 13:09

 

Guilherme Palmeira, senador e governador de Alagoas, deixou a marca de um político digno e respeitado. Sua simplicidade rendeu-lhe eternas amizades. Guilherme cumpriu sua missão de homem público e saiu da política com direito a bater no peito e dizer: “Eu tenho amigos, muitos amigos, sinceros e leais”.

Pois bem. Amigos de Guilherme, amigos que o seguiram em memoráveis campanhas eleitorais, reagem com espanto e incredulidade ao ataque que o prefeito Rui Palmeira desfechou contra o senador Renan. Não se trata de crítica institucional, mas de um insulto de natureza pessoal e, o mais grave, sem motivo que o justifique. Salvo, o inconformismo ante uma situação natural da disputa política: a desvantagem de seu aliado Benedito de Lira na busca de votos para continuar senador.

O episódio é de todo lastimável porque, agindo assim, Rui se contrapõe ao estilo que marcou a trajetória política de Guilherme, seu mentor e cujo exemplo deveria ser copiado, sempre. Na sucessão maceioense de 1988, Guilherme disputou a Prefeitura de Maceió precisamente com Renan Calheiros. E venceu sem precisar recorrer a qualquer tipo de agressividade ou baixaria.

O ataque de Rui, injustificado, soa mais como provocação calculada a título de ‘estratégia’: teria o a intenção de forçar uma réplica desaforada do senador atingido. Um embate verbal, a essa altura, não produziria dano a quem já está perdendo, e muito menos a quem nada tem a perder...

Mas, uma artimanha ferina dessas funciona? O próprio Rui sabe que não. Se rendesse, seu aliado e chefe Geraldo Alckmin já estaria em primeiro, na corrida presidencial, de tanto insultar e bater em Jair Bolsonaro. Mas está em quatro. Se funcionasse, Rui bateria antes em Renan Filho – o candidato ao governo que ele temeu enfrentar.

Desespero – como afirmam alguns? Pode ser, mas não absolve quem, pelo cargo que ocupa, deveria dar o bom exemplo de conduta pautada pelo sentido da urbanidade e do equilíbrio.

Esse tipo de incidente – mais pela reação de aliados – poderia produzir revides indesejáveis, ainda que justificáveis. Mas não houve e não haverá a resposta que Rui tanto esperou: um ato ruidoso de baixaria, ao nível do ataque. O senador Renan, que tem comemorado, com sobriedade, sucessivas vitórias na Corte Suprema brasileira, reagiu à afronta com total silêncio, ‘insuportável’ para quem esperava réplica agressiva. Um silêncio superior, que deve servir de bom ensinamento.

Depois da palavra, dizia Jean Lacordaire, o silêncio é a maior potência do mundo.

Pena que Rui nunca tenha lido o clássico francês.

 

seta

Sem comando, oposição em Alagoas será massacrada nas urnas de sete de outubro

24/09/2018 12:41

Com Renan Filho candidato à reeleição, não seria fácil para ninguém enfrentá-lo na sucessão deste ano. Que o diga Fernando Collor que precisou de apenas alguns dias para sentir o altíssimo índice de aprovação do governador, o que o fez desistir.

Mas a oposição, totalmente desarticulada, sofre pela ausência de um comando atuante e experiente. O PSDB, líder do bloco, perdeu substância depois que Téo Vilela – sem razão conhecida – passou a presidência regional ao prefeito Rui Palmeira.

Rui cozinhou sua ‘provável candidatura’ por mais de um ano. Quando desistiu – convencido de que acabaria sem Prefeitura e sem qualquer outro cargo público – o fez em cima da hora e sem um ‘nome competitivo’ para entrar no jogo. Ação desastrada.

Collor apareceu, na undécima hora, não para disputar o governo, mas para antecipar o que poderá ser o cenário da próxima eleição para o Senado, quando ele deverá concorrer à reeleição tendo Renan Filho como adversário. Uma pesquisa qualitativa daria uma ideia do que poderia vir a ser o confronto, mas ele preferiu viver uma situação real. Ao desistir, o fez sentindo na pele (e nos votos) a supremacia exercida pelo governador.

Pinto de Luna, um homem de bem, foi chamado para tapar o buraco deixado por Collor. Mais uma articulação de Rui. Não se sabe por quê, começou a campanha cometendo o mesmo erro fatal do ex-presidente: bater em Renan Filho, sem dar a mínima para o alto índice de aprovação de seu governo. Um tiro no pé.

Como Collor, aliás, o discurso de Pinto incorre em desvario ao criticar a construção de hospitais, num estado sabidamente sem rede hospitalar pública. Collor andou dizendo que, eleito, iria concluir as ‘obras inacabadas’ de Renan Filho. Num ato falho, exaltou o governador, reconheceu suas realizações.

Alguém deveria dizer a Rui e a Pinto que não se vaia time que está ganhando, nem se ataca uma torcida que toma quase todos os espaços do estádio. É pouco inteligente, para dizer o mínimo. O que Pinto teria a dizer é que ‘pode e vai fazer mais’ do que Renan Filho. Agora, se o eleitor vai acreditar, são outros quinhentos.

 

MUDANÇA À VISTA

Passada a eleição, o comando nacional do PSDB deverá devolver a Teotonio Vilela Filho a presidência regional da legenda. A experiência com Rui não poderia ter sido mais contraproducente.

 

MUDANÇA À VISTA 2

Aliás, os principais líderes nacionais do PSDB não engoliram a aliança feita com o senador Collor que, ainda bem, desistiu. Rui queria um ‘nome de peso’ e acabou dividindo o partido.

 

DECISÕES MOSTRAM QUE RENAN TINHA RAZÃO

Absolvido por unanimidade (4x0) no caso da Mônica Veloso, o senador Renan Calheiros pode comemorar. Era o processo mais emblemático contra ele. Já são oito, nove inquéritos arquivados no Supremo Tribunal. Confirma-se, a cada decisão do STF, a tese do senador de que foi perseguido pelos procuradores Gurgel e Janot. Sem provas, as denúncias contra Renan se baseiam, sempre, em ‘ouvir dizer’ de delatores loucos para sair da prisão.

 

RÉU DE GRAÇA

Sobre a decisão, disse o senador Renan: “Por causa dessa ação, tornaram-me réu, quase fui afastado da presidência do Senado e fui retirado da linha sucessória da Presidência da República”.

 

CUSTOU CARO

E completou: “Foi um massacre pessoal, familiar e institucional. Ouvir dos ministros que o caso custou muito para a imagem do Senado e do país, me faz acreditar na justiça e seguir em frente”.

 

LESSA BARRADO POR AÇÃO QUE AUTOR DESISTIU

O ex-governador Teotonio Vilela lamentou o indeferimento da candidatura de Ronaldo Lessa. A ação, julgada agora pelo TRE-AL, foi movida porque Lessa acusou a oposição (à época liderada por Vilela) de ter invadido seu comitê político. O Tribunal decidiu contra Lessa, mesmo depois que Téo Vilela desistiu da ação, o que torna a decisão, no mínimo, contestável.

 

VOTO OCULTO

Para não ouvir reprovações e evitar pressão, muita gente está ‘escondendo’ o voto em Bolsonaro. Precisamente como ocorreu com Donald Trump na eleição presidencial dos Estados Unidos.

 

EUA VÃO BEM

E, como Bolsonaro tem sido comparado a Trump, vale lembrar que a economia americana – com seus reflexos no social – nunca esteve tão bem quanto agora, com Donald na presidência.

 

POR QUE BOLSONARO ESTÁ CRESCENDO SEM PARAR

A opção por Bolsonaro se fortalece com o seguinte: Haddad foi um péssimo prefeito em São Paulo; Marina Silva já foi ministra (de Lula) e nada fez; Ciro Gomes foi ministro (de Lula) e não fez nada; e Henrique Meirelles já mandou na economia com Lula, com Dilma e com Temer – e deixou a crise como legado.

 

O MENTOR

Téo Vilela foi o grande incentivador para que Rodrigo Cunha disputasse o Senado Rui queria que o deputado de Arapiraca concorresse ao governo, já que ele (o prefeito) havia desistido.

 

BANCADA

Se der Cunha, junto com Renan Calheiros, o PSDB terá recuperado a cadeira senatorial ocupada por Teotonio Vilela por longos 24 anos. Hoje, a bancada tem Renan, Collor e Biu de Lira.

seta

Primeira Edição © 2011