seta

545 postagens no blog

Estreou em 1973 como repórter do Diário de Pernambuco, do qual foi redator e editor setorial. Foi editor-geral do Diário da Borborema-PB, Jornal de Hoje e Jornal de Alagoas. Foi colunista político e editorialista de O Jornal. Exerceu os seguintes cargos: Coordenador de Comunicação da Assembleia Legislativa de Alagoas, Delegado Regional do Ministério do Trabalho, Secretário de Imprensa da Prefeitura de Maceió e Secretário de Comunicação de Alagoas. Atualmente é editor-geral do PRIMEIRA EDIÇÃO.

E o Paulinho - quem diria - virou um esquerdinha afoito

23/04/2019 13:15

O Paulinho sempre pareceu, na telinha da TV, um sujeito urbano, comportado. Seu trejeito no falar não ofende, sequer incomoda. É só uma marca... De repente, um excesso. O disciplinado Paulinho irrompeu contra o ministro Sérgio Moro. Movido por uma coragem jamais exibida, chamou Moro de ignorante, analfabeto – um apedeuta. Não vi nem ouvi, soube. Por isso, duvidei. O Paulinho, despejando diatribes em cima do doutor Moro?

Bêbado, pensei. Só podia estar etilizado. O álcool não só deprime o homem, como dizia Rui Barbosa, também dá-lhe coragem... Coragem fugaz, de tresloucado. “Por que será que o Paulinho não imprecou quando moro era juiz?” – disse para meus botões. Agora, o ex-global descobriu que pode agredir à vontade, que o homem não é mais magistrado. O Paulinho conhece seus limites.

É um esquerdista. Da esquerda que se nutre da miséria, mas não se mistura, e só se embriaga com champanhe francês. A esquerda órfã de Lula na cadeia, órfã do poder tomado pelo povo.

Como ‘canhoto político’, Paulinho devia se ajoelhar e pedir perdão: “Nós, esquerdistas, perseguimos, prendemos, torturamos e matamos 43 milhões de pessoas na Rússia”. E completar, numa crescente: “E executamos 102 milhões na China”. Paulinho sabe que isso não é versão de direita, é uma verdade histórica.

Paulinho afrontou o homem que mudou o Brasil. Chamou de analfabeto o autor de uma das mais perfeitas sentenças da história do Judiciário brasileiro. O que pode mover uma pessoa a agredir um inimigo implacável da corrupção? E por que será que Paulinho não ultraja, também, os desembargadores, do TRF-4, e os ministros – do STJ e do STF – que endossaram a sentença de Moro contra Lula? Ou será que Paulinho é tão intimorato quanto José Dirceu, que se escondeu, disfarçado, durante o regime militar, enquanto os amigos achavam que ele lutava bravamente?

A esquerda que está aí não vive no século 20, só age como tal, pois sabe que parte do povo despolitizado ainda engole o discurso da miséria, sempre celebrado com champanhe e caviar.

Mas, surpreende, ver o Paulinho – com sua impostação vocal de néscio – vestindo fantasia de esquerdinha afoito.

 

O COMANDO DO SUPREMO TRIBUNAL ERROU FEIO

Não precisa ser jurista. Qualquer estudante de Direito sabe que um poder não pode, a um só tempo, investigar, acusar e julgar. Logo, o presidente do Supremo, Dias Toffoli, e seu colega Alexandre Moraes, cometeram um ‘erro intencional’ ao ignorar o Ministério Público Federal e dar sequência a investigação de supostas ameaças e ofensas aos membros da Corte.

 

BANCADA PETISTA: QUEM TE VIU, QUEM TE VÊ

Claro que a oposição cumpre seu papel, ou atribuição, ao obstruir a tramitação da PEC da Previdência ou qualquer proposição originária do governo. Mas, só para o leitor se situar, vale a pergunta: o que fez a bancada do PT quando o governo Lula propôs, absurdamente, a taxação dos aposentados?

 

UM ‘CUSTO’ MAIOR DO QUE O ‘BENEFÍCIO’

Se Dias Toffoli e Alexandre Moraes entendessem o mínimo de comunicação, não teriam censurado a revista Crusoé nem o site O Antagonista. Pois a medida excepcional, não apenas aguçou a curiosidade geral quanto à citação de Toffoli na Lava-Jato, como produziu uma divulgação incrível desses meios de informação.

 

ENFIM, O ‘VOTO VENCIDO’ DEU ‘UMA DENTRO’

Membro da bombardeada 2ª Turma do Supremo Tribunal, o espinafrado ministro Marco Aurélio Mello deu ‘uma dentro’ e enriqueceu seu currículo ao se insurgir contra censura à imprensa. Nesse episódio d’ O Antagonista e da revista Crusoé, o que impressiona é que dois ministros – Toffoli e Alexandre – atentaram contra algo que eles – assim como os demais ministros – só têm o direito de defender: a Constituição Federal.

 

RENAN PREGA FOCO EM INVESTIMENTO E EMPREGO

Sem radicalismos, o senador Renan Calheiros entende que o momento recomenda bom senso. Ou seja, em vez de buscar conflitos com o Supremo Tribunal Federal, mediante criação da CPI da Lava-Toga, o Senado deve se concentrar em ‘temas focais’ voltados para investimentos e geração de emprego.

 

RUI E SERVIDORES – A BUSCA DO ENTENDIMENTO

Nesta segunda-feira (22) Rui Palmeira e o secretário de Gestão, Reinaldo Braga, retomam a negociação com as lideranças dos servidores públicos. Vão tentar fazer ajustes nos projetos, enviados à Câmara e retirados a seguir, para evitar cortes de vantagens legais percebidas por milhares de funcionários.

 

E A ENTREVISTA DA FOLHA COM LULA?

Por que será que a Folha de S. Paulo não correu para entrevistar Lula, após a liberação do ministro Dias Toffoli? Ano passado, a Folha estrilou por ter sido impedida de ouvir o petista, cumprindo ordem do ministro Luiz Fux. Óbvio: o que movia a Folha, em 2018, era o interesse de fazer de Lula um cabo eleitoral de Fernando Haddad, na disputa presidencial...

 

seta

A opção era: o Brasil dominado pelo comunismo ou o Movimento Militar

09/04/2019 13:45

O transcurso do 31 de Março de 1961, celebrado dentro e fora das Forças Armadas, serviu também como prova de que a ‘grande mídia’ assumiu de vez seu papel de oposição ao governo Bolsonaro.

Por acaso, nos últimos anos, houve barulho, grande ruído da esquerda na passagem do 31 de Março? Não? E por que não?

Muito simples: porque Bolsonaro não estava na Presidência. Aliás, se o capitão não tivesse dito nada sobre o Movimento Militar de 1964, a data teria transcorrido sem alardes.

Mas Bolsonaro falou e foi o bastante para a esquerda, dentro e fora da mídia – amplificar o eco já quase inaudível da velha orquestração contrária ao governo instaurado em 1964.

A esquerda rememora as vítimas do regime militar (sem se referir às dos atos terroristas), mas esquece do aplauso oficial do Congresso Nacional à revolução russa que oprimiu, perseguiu, prendeu e executou milhões de cidadãos da União Soviética...

Também esconde que o Brasil, em 1964, com Jango no comando, esteve a um passo de virar uma republiqueta comunista, um satélite da União Soviética, a exemplo de Cuba.

O discurso de golpismo soa ‘envolvente’, mas não se sobrepõe à História. E não falo como leitor, mas como ‘sobrevivente’ do período. O Exército não deu golpe, foi chamado a intervir, depois que João Goulart se mandou para o Rio Grande, junto com Leonel Brizola, e foi destituído pelo Congresso. A anarquia havia tomado conta do País. O movimento militar teve o apoio dos governadores, do Parlamento, da mídia e da maioria do povo.

Eu fui contra, editava o Diário da Borborema, em Campina Grande, e fui convocado a depor no Exército e na Polícia Federal por ter publicado uma matéria censurada pelo governo.

Depois, condenei os excessos – mas de parte a parte – e vi o Brasil virar a 8ª economia do mundo, o ensino público dar um salto de qualidade jamais visto, a saúde atender a todos sem filas.

Vi mais: o fim da corrupção, que voltou feroz na década de 1980. Naquela época, a pisada era outra: matou, cadeia; roubou, cadeia. O Movimento Militar, claro, não foi uma opção, mas uma alternativa crítica para salvar o Brasil da bandalheira total.

E a moçada da esquerda finge, mas tem consciência disso.

 

PROBLEMA NÃO É A DIREITA, É BOLSONARO

Em artigo recente, o chanceler Ernesto Araújo tentou demonstrar  que o nazismo foi um movimento de esquerda. Ninguém revidou. Quando, em Israel, Bolsonaro disse a mesma coisa, aí a militância esquerdista aqui reagiu quase possessa. Portanto, claro está que, para a esquerda, o problema não é a História, o socialismo-comunismo-marxismo. O problema chama-se Jair Bolsonaro.

 

NAZISMO PODE TER SIDO DE DIREITA OU ESQUERDA

O fato é que historiadores, cronistas e críticos se dividem quanto à marca do nazismo. Para muitos, o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães tanto pode ser definido como de direita quanto de esquerda. Mas a esquerda, aqui no Brasil, se esforça em eximir-se: “O nazismo foi um movimento político de direita que matou 21 milhões de pessoas”. E matou mesmo.

 

ESQUERDA NÃO MATOU MIL, MATOU MILHÕES

Mas, e a esquerda? A esquerda russa, que difundiu e exportou o marxismo, a teoria política que inspirou a esquerda brasileira, não matou 21 milhões de pessoas, mas 43 milhões. Perseguindo, torturando, executando. Já a esquerda chinesa, de Mão Tsé Tung, superou-se: ceifou 102 milhões de vidas. Aqui, a esquerda que abomina os generais-presidentes, esquece ou esconde que se inspira no regime totalitário de Joseph Stálin...

 

O SALDO DE ALAGOAS COM DISPARADA DO PIB

É um show de crescimento. Estudo da Secretaria de Planejamento revela que o Produto Interno Bruto de Alagoas cresceu 1,53% no ano passado. É motivo para foguetório, considerando que o PIB alagoano está acima dos demais estados e do índice nacional, que ficou em 1,1% em 2018. Fosse um resultado negativo, setores da mídia estariam trombeteando e expondo o nome de Renan Filho. O importante, contudo, é que Alagoas segue avançando como modelo a ser copiado.

 

E O DINHEIRO QUE O APOSENTADO RECOLHEU?

A desoneração promovida pelo governo federal – inclusive na era Dilma – concorreu para afundar a Previdência Social. Antes, o trabalhador passava a vida recolhendo contribuições e, ao se aposentar, começava a receber de volta o que havia pago. Com a desoneração, o cofre do INSS esvaziou-se. Aí surgiu a teoria de que ‘quem trabalha sustenta quem se aposenta’. Ora, e o dinheiro que o aposentado recolheu enquanto estava na ativa?

 

RENAN CALHEIROS: REFORMA DEVE SER DOSADA

Em meio à confusão em torno da reforma previdenciária, impõe-se recorrer à tese de Renan Calheiros: esse tipo de reforma deve ser gradual, cada governo fazendo sua parte. O senador racionaliza ao afirmar que não faz sentido fazer uma reforma, agora, impondo condições para valer nos próximos 20 anos. E não faz, mesmo, porque a sociedade, assim como os ingredientes do próprio sistema de aposentadoria, estão em constante mutação.

 

‘MÍDIA’ NÃO DEIXA OPÇÃO PARA BOLSONARO

Que opção a ‘grande mídia’ deixa para Bolsonaro? Se o presidente não conversa com os congressistas, está dando as costas ao Parlamento. Se o presidente procura deputados e senadores para conversar, está adotando a velha política. Afinal, a esquerda poderia dizer o que quer do presidente?

 

seta

A eleição pode ser um erro. Mas, quando o povo elege e depois 'confirma', o produto é bom

27/03/2019 13:09

Na gestão pública não tem segredo: todo trabalho desenvolvido com transparência, competência e objetividade desperta atenções, mexe com o cidadão e logo ganha o reconhecimento popular.

O governo de Renan Filho, no primeiro e nesse início de segundo mandato, se destaca pelo positivo: folha dos servidores em dia, reajustes salariais, pagamento regular aos fornecedores – e obras, muitas obras, todas marcadas por inegável interesse social.

Dezenas de escolas de tempo integral, centenas de quilômetros de rodovias asfaltadas, novos hospitais, Unidades de Pronto Atendimento, investimentos em sistemas de abastecimento de água, urbanização das grotas de Maceió, eixos viários (Quartel e Cepa), além de inúmeras e relevantes ações nos setores cultural e esportivo. Um banho de administração.

Claro que tudo isso gera ciumeira política. Por isso, sempre haverá focos de críticas e de tentativas de esconder as conquistas do governo exibindo situações negativas que, no geral, são efeitos retardados de descasos e omissões do passado.

Com um estilo próprio de trabalhar já devidamente moldado, Renan Filho colhe hoje os frutos de ontem, do início da gestão, quando se impôs um ajuste fiscal profundo e rigoroso, enxugando a máquina e cortando gastos. E Alagoas, por conta de uma gestão racional e disciplinada do Executivo, é destaque no cenário de crise e de dificuldades que afetam a quase totalidade dos estados.

Justo por isso, o jovem governador assume papel de liderança e ganha projeção no cenário nacional, onde todos se questionam como um estado pequeno e pobre consegue tantos avanços em meios aos efeitos da grave crise provocada pela recessão.

Também por isso, os críticos de Renan Filho estão fadados a continuar pregando no deserto, sem audiência, mesmo porque os números não mentem nem enganam: em cada 100 alagoanos, 76 dizem que o governador está no caminho certo e aprovam o projeto que vem materializando com raríssima habilidade.

 

RENAN CALHEIROS DÁ TROCO AOS PROCURADORES

Tantas vezes acusado pelos membros da Procuradoria Geral da República (PGR), o senador Renan Calheiros decidiu dar o troco, pedindo punição para os procuradores que se envolveram na malsinada missão de criar uma bilionária fundação para ser gerida pelo Ministério Público, com recursos desviados de empresas e órgãos públicos e resgatados pela Lava-Jato.

 

BOLSONARO, MAIA E A FOFOCAGEM DA MÍDIA

Falta ainda a Bolsonaro a percepção de algo elementar: a mídia também vive de criar intrigas. A crise entre Bolsonaro e Rodrigo Maia, presidente da Câmara, não existe, é pura intriga gerada pela mídia. O repórter vai a Maia, estimula uma crítica a Bolsonaro; outro repórter vai ao presidente e arranca um revide a Maia. Depois, volta ao deputado... E vai alimentando a fofoca, pois tem o espaço no jornal para preencher. O mito precisa acordar...

 

PRISÃO DE TEMER PARA MOSTRAR LAVA-JATO VIVA

Existe, sim, uma montanha de inquéritos contra Michel Temer. Nenhum deles, entretanto, é recente. A última investigação data de 2017. Então, juristas se indagam o porquê da prisão do ex-presidente. O juiz Marcelo Bretas decretou a preventiva baseado em fatos antigos, sem apontar nada de novo. Ou seja, muitos juristas e advogados acham que se tratou de mais uma ação espetaculosa da Lava-Jato. Talvez para mostrar que a saída de Sérgio Moro não arrefeceu ‘o vigor’ da força-tarefa.

 

SILVANA BARBOSA: PINHEIRO É PROBLEMA DE TODOS

Nesse cenário de tensão, angústia e medo que envolve o Pinheiro, a vereadora Silvana Barbosa acerta em cheio em um ponto: o problema não é apenas dos moradores do Bairro, mas de todos. “Até porque – enfatiza a Silvana, que articula ações de apoio à população atingida – a crise afeta o conjunto de nossa sociedade”. Silvana defende que, tão logo a Defesa Civil apresente o relatório conclusivo dos técnicos, toda Maceió deve se unir em busca de uma solução para salvar o tradicional Pinheiro.

 

ASSEMBLEIA CRIA COMENDA AUDÁLIO DANTAS

A Assembleia Legislativa acaba de criar a ‘Comenda Jornalista Audálio Dantas’. Justa homenagem de autoria do deputado Davi Davino. Falecido no ano passado, Dantas atuou como escritor, jornalista e líder sindical. Sempre em São Paulo onde se destacou também como deputado federal. Trabalhou na Redação da revista O Cruzeiro, Folha de São Paulo, Realidade e Quatro Rodas. Como sindicalista, foi um guerreiro na defesa dos direitos da classe jornalística.

 

COLLOR SOBE À TRIBUNA COMO RETARDATÁRIO

Fernando Collor anda meio dorminhoco no Senado. Somente agora, depois que todo mundo abordou o assunto, o senador alagoano subiu à tribuna para questionar, na PEC da Previdência, os itens que atingem a aposentadoria dos trabalhadores rurais e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), que assegura um salário mínimo aos idosos pobres com mais de 65 anos de idade.

 

KAJURU DECLARA GUERRA A MINISTRO DO STF

O míssil disparado pelo senador Jorge Kajuru contra Gilmar Mendes estragou os esforços de Dias Toffoli, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre por uma trégua entre os poderes. Kajuru não apenas chamou o ministro Gilmar de ‘canalha’, como o acusou de ‘vender sentenças’. Alcolumbre, novo presidente do Senado, responde a processo e pretende abortar a CPI da ‘Lava-Toga’.

 

A ESPERTEZA BARATA DA COMPANHEIRA DE LULA

Estimulada pela convicção de que a primeira informação é a que fica, a esperta Gleisi Hoffmann apressou-se em anunciar que o Brasil receberá só 10 milhões de reais pelo uso da base de Alcântara (no Maranhão) pelos Estados Unidos. Conversa. A receita prevista para o Brasil é de 10 bilhões... de dólares. Mas é claro que a dirigente petista não desfará o ‘equívoco’.

 

 

seta

Armas de fogo, Bolsonaro e os massacres

19/03/2019 14:30

Sempre que um tiro é disparado, e o fato repercute, os inimigos de Bolsonaro logo se apressam em inculpar o presidente. Quem defende a posse de arma – em casa – para defesa pessoal? Jair Bolsonaro. Então, de quem é a culpa?

O massacre na escola de Suzano, interior de São Paulo, foi um prato feito para os críticos do presidente. “Estão vendo, é o que ocasiona o armamento da população. A culpa é dele”.

Tudo cretinice. Qualquer um sabe que, no Brasil, as pessoas adquirem arma de fogo no comércio clandestino. O problema de Suzano não estava no revólver, mas na cabeça dos ensandecidos.

E o machado? E o arco com flecha? E se tivessem empregado bombas (coquetel Molotv, por exemplo), como seria?

A pilantragem não se converte em argumento sério. Tiroteios, massacres, atos terroristas (doméstico ou internacional)

acontecem pelo mundo afora. Não são tragédias privativas dos Estados Unidos ou do Brasil. São incidentes planetários.

Culpar Bolsonaro pela chacina de Suzano imporia – por critério de similitude e equiparação – culpar Dilma Rousseff pelo massacre de Realengo, onde um tresloucado invadiu uma escola e matou 12 alunos, deixando outros 13 gravemente feridos em 20122. Quem governava o País à época? Então, culpa da Dilma?

Nos Estados Unidos, ao longo de décadas, ocorreram ao menos 37 massacres. Culpa dos presidentes? O maior de todos, com 51 mortos, aconteceu numa boate na cidade de Orlando em 2016. Quem era o presidente? O democrata Barck Obama, cuja liberalidade o aproxima dos petistas brasileiros (lembrando que, durante evento em Washington, Obama apontou para o então presidente Lula e proclamou: “Esse é o cara”.

Culpar Bolsonaro pelos crimes que estão acontecendo, com armas de fogo, é o meio insidioso e venal de transferir responsabilidades. Pois violência, desequilíbrios, atentados à vida não se devem simplesmente às armas. Devem-se, sobretudo, aos maus governos, que não investem para formar e educar as gerações. A esculhambação que se instalou no Brasil dos últimos 15 anos teve origem no modelo de gestão que – ainda bem – acabou rejeitado pelo povo nas eleições do ano passado.

 

AÇÃO E REAÇÃO

É a lei da Física: após o Supremo decidir que crimes conexos com Caixa 2 vão para a Justiça Eleitoral, os deputados já se mobilizam para derrubar a decisão do STF com projeto de lei. E ‘lei é lei’.

 

LULA DE FORA

A nova decisão do Supremo Tribunal não beneficiará Lula. O ex-presidente foi condenado por receber propina, sem relação com caixa dois. A sentença, irretocável, foi do juiz Sérgio Moro.

 

E A ESQUERDA AINDA FALA DE BOLSONARO

Excelente o nível do diálogo entre Gleisi Hoffmann e Ciro Gomes. O ex-presidenciável do PDT chamou a presidente nacional do PT de ‘chefe de quadrilha’. Em resposta, a civilizada petista suavizou: “O Ciro é um coronel oportunista, ressentido e covarde”. E ainda criticam o presidente Jair Bolsonaro...

 

VOLTA POR CIMA

O retorno de Melina Freitas à Secretaria de Cultura foi uma medida acertadíssima de Renan Filho. Com Melina, a Secult ganhou nova dinâmica e seu desempenho é reconhecido.

 

SÓ FALTA FÁBIO

A mexida no secretariado, para o segundo mandato de RF, será fechada com chave de ouro se o diplomático Fábio Farias der ouvidos ao coro geral por sua volta ao Gabinete Civil.

 

LESSA NO CAMPO – UMA EXPERIÊNCIA VÁLIDA

Ronaldo Lessa já ocupou os principais cargos políticos no Estado. Foi vereador e prefeito de Maceió, governador duas vezes e deputado federal. Como governador, cuidou bem da agricultura, da pecuária e da pesca. Portanto, tem experiência de sobra para fazer bom trabalho como secretário da Agricultura. Conhece o Estado, as regiões, os municípios – e as carências de cada um. Renan Filho acaba de fazer uma excelente nomeação.

 

MASSACRE EM SP

O massacre na escola de Suzano (SP) chama a atenção para o uso de arma de fogo, mas, por outro lado, indica que, se o professor tivesse armado, a matança poderia ter sido impedida.

 

ALVO PREFERENCIAL

A propósito, o presidente Donald Trump defende a liberação do porte de arma para professores. Mas, alto lá: se o porte for aprovado, os assassinos vão mirar quem em primeiro plano?

 

POR QUE A MAIORIA TENDE A APOIAR BOLSONARO

Recente pesquisa de opinião mostrou Jair Bolsonaro com aprovação de mais de 50% dos brasileiros – somando-se os que

achavam o governo ótimo, bom e regular. Sem surpresa. A maioria dos brasileiros aprovará Bolsonaro por uma razão elementar: ele livrou o Brasil do petismo. Traduzindo: muitos brasileiros votaram no capitão para derrubar o petismo, e não por acharem que estavam elegendo um estadista revolucionário.

 

EPISÓDIO FATÍDICO

Contrário ao armamento da população civil, o senador Renan Calheiros lamentou pelas vítimas em Suzano e disse que o episódio remete todos a uma reflexão sobre porte de armas.

 

EPISÓDIO FATÍDICO 2

O prefeito Rui Palmeira também manifestou seu pesar pela matança na escola estadual do interior paulista. Pelas redes sociais, desejou recuperação aos feridos no trágico episódio.

seta

Quem é o pornográfico?

09/03/2019 09:45

Jair Bolsonaro, o cidadão, ainda não tem ideia do bem que fez ao Brasil. Fez, na eleição, e continua fazendo, no governo. Só um exemplo: não fosse o projeto presidencial do capitão, a população teria como saber quem são os glutões do festim bancado pela Lei Rouanet?

Nesse particular, Bolsonaro não apenas estancou uma sangria descontrolada do dinheiro público, como ainda exibiu à nação perplexa a cara dos comilões e o estrebuchar de vários deles, os mais inconformados com o fechamento da torneira oficial.

Impagável, também, o gesto do presidente de lançar-se numa cruzada nacional pela restauração dos bons costumes. Setores da sociedade brasileira – influentes e com poder de irradiar seus efeitos – vivem hoje num estágio de liberalidade sem limites.

Pessoas que perderam o poder e os espaços com a recente derrota do petismo – políticos, atores, ativistas – atacam Bolsonaro exibindo ranços de vingança, desprezando o fato de que as ideias que execram representam os anseios maiores da sociedade.

No Carnaval, o presidente postou um vídeo para mostrar – nas imagens indecentes exibidas – o que todos deveriam condenar, em nome da moralidade e em defesa da própria decência que deve (ou deveria) ser a tônica de uma festa tão popular e abrangente.

Bastou, porém, para o ativismo dos derrotados aflorar com uma mensagem tão hipócrita quanto cretina. Acusaram o presidente de usar a internet para divulgar pornografia. Um discurso vil e barato. Uma coisa – e os hipócritas também sabem disso – é condenar o Carnaval, outra é atacar seus excessos. Ninguém reprovou o ato imoral, nenhuma voz censurou a aberração.

Os críticos do presidente se melindraram com o vídeo postado no twitter – porque acessível a qualquer internauta – mas não se chocam com cenas indecorosas exibidas em novelas e programas como o Big Brother em canal de alta acessibilidade.

O presidente foi direto, corajoso, autêntico. Afirmar o contrário seria o mesmo que condenar a Rede Globo por exibir, de forma explícita e recorrente em seus noticiosos, cenas de violência em grau superlativo. Quem, nesses casos, deve ser condenado: a televisão que divulga os fatos ou os protagonistas da repulsiva criminalidade? Quem é o pornográfico?

 

 

 

POSSE LEGAL

Não competia ao advogado Cacá Gouveia envolver-se com o drama do Pinheiro. Mas ele acertou mais uma ao sugerir o Posse Legal para os moradores pobres do bairro. O TJ agradeceu.

 

ONTEM E HOJE

O que o governo está gastando com locação de viaturas é o preço da segurança pública que funciona. No passado, governadores mantinham veículos próprios, mas o crime mandava no Estado.

 

O SILÊNCIO DA ‘ESQUERDA’ DIANTE DA DESGRAÇA

Impressiona – tanto quanto assusta – o silêncio da ‘esquerda’ brasileira ante a desgraça do povo venezuelano. Ou será que estão sem jeito, envergonhados com a crise que a ‘esquerda bolivariana’ implantou no país do indigitado Maduro? E aí, o que têm a dizer os ‘intelectuais’ petistas adeptos do ‘chavismo’?

 

COMO SE ESPERAVA

Sérgio Moro já se ambientou no Ministério da Justiça. Já sabe que lidar dentro do governo não é o mesmo que decidir como juiz. Importa, isto sim, que ele está fazendo um excelente trabalho.

 

NÃO É O QUE PARECE

Bolsonaro diz que os filhos não mandam no governo. Verdade, não mandam e não poderiam, pois lhes faltam competência e atribuição. Mas – eis o nó – eles agem como se mandassem.

 

 

LESSA NO CAMPO – UMA EXPERIÊNCIA VÁLIDA

Ronaldo Lessa já ocupou os principais cargos políticos no Estado. Foi vereador e prefeito de Maceió, governador duas vezes e deputado federal. Como governador, cuidou bem da agricultura, da pecuária e da pesca. Portanto, tem experiência de sobra para fazer bom trabalho como secretário da Agricultura. Conhece o Estado, as regiões, os municípios – e as carências de cada um. Renan Filho acaba de fazer uma excelente nomeação.

 

 

OS DISCORDANTES

Países livres e desenvolvidos, como Estados Unidos e membros da Comunidade Europeia condenam o regime de Maduro. Já a Rússia e a China, sem surpresa, condenam os que condenam.

 

NÃO TEM JEITO?

Mesmo com o rigor da Lei Maria da Penha e com o crescente número de denúncias feitas pelas vítimas, a violência contra a mulher continua em alta. Qual a explicação para isso?

 

REAÇÃO APOPLÉTICA A UMA OBVIEDADE

Os órfãos da antiga farra também atacam Bolsonaro por ter dito que “só existe democracia se as Forças Armadas quiserem”. Afirmam que foi ‘um ataque ao sistema democrático e à Constituição’. Dizem, enfim, que quem garante a democracia é a Constituição. Verdade, e quem garante a Constituição? No fundo, o presidente apenas disse uma obviedade...

 

CLIMA DE ORDEM

Maceió viveu o Carnaval mais tranquilo dos últimos 10 anos. Da sexta (1º de março) até a quarta-feira de cinzas, apenas 20 homicídios. Quase a metade da taxa registrada ao longo de 2018.

 

OS ENCAPETADOS

O padre Cícero, da Capela da Santa Casa de Maceió, assustou-se com o grande número de foliões (homens e mulheres) fantasiados de capeta nos blocos que animaram o Carnaval em todo o País.

 

seta

Primeira Edição © 2011