seta

326 postagens no blog

O mal dos radicalismos.

20/10/2018 09:51

     

 

               Seja no que for, o radicalismo não soma, não encontra caminhos viáveis, não deveria fazer parte de um sistema que se diz democrático, mas faz. E como tal também temos que respeitar posições sejam elas quais forem porque falar e ouvir com respeito e com dignidade também são fatores indispensáveis ao exercício correto da democracia. No entanto e lamentavelmente estamos vendo uma campanha presidencial acirrada, seria até correta não fossem os excessos praticados, a troca de impropérios e acusações, de fundadas a infundadas, com a imensa colaboração das Redes Sociais que se permitiram serem usadas não mais para a defesa de programas e de propostas respeitáveis para se transformarem em berço nada esplêndido das chamadas "fake news" covardemente utilizadas por ambos os lados com ataques que vão do institucional ao pessoal transformando uma campanha que poderia ser muito bonita em lixo da democracia. As idéias colocadas, insisto em dizer, dos dois candidatos, poderiam se apreciadas e estudadas pela população de maneira bem mais objetiva não tivessem sido criados os campos de batalha ao invés das arenas de debates produtivos e conclusivos. Face a isto, fica o eleitor num terrível papel olhando-se uns aos outros até com olhos de inimigos dissociando até famílias, dispersas em idéias aterrorizantes e radicais. Espero que cheguemos no próximo domingo a um final feliz para uns, frustrantes para outros, mas sem mais delongas com a deposição e o esquecimento das armas usadas nessa infeliz campanha.   

seta

Da tristeza de ser analfabeto...

05/10/2018 06:17

  ...na Alemanha. Até me orgulho de viajar por aí e falar, escrever e ler muito bem em inglês, francês, espanhol e no nosso querido português, claro! Mas estou na Alemanha onde para me expressar fica fácil porque quase todos falam o inglês. Porém na hora de ler, de estar num estabelecimento comercial, num supermercado, na rua com as placas e cartazes, com os jornais, revistas, etc, etc, bate a imensa tristeza de não conseguir ler nada na dificílima língua alemã. E você fica absolutamente desnorteado pedindo sempre que alguém diga a você o que é aquilo, o que está escrito, óbvio se você tiver alguém com quem conversar em outro idioma. Essa reflexão nos leva aos inúmeros analfabetos de nosso Brasil que ainda não lêem a língua pátria e que não são entendidos pelas autoridades incompetentes que deixam que isso aconteça já que os índices de analfabetismo, não só entre crianças, mas entre inúmeros adultos assustam. No nordeste principalmente as coisas são para lá de feias nesse sentido e, ainda que um novo presidente assuma que educação tem que ser fundamental nesse país vamos continuar a vivenciar o atraso e a infelicidade dos que não conseguem traduzir o que está escrito por todos os cantos de suas vidas. Claro que um dia já fomos analfabetos mas, crianças, seguindo o ritmo natural da vida e, no passo a passo chegando lá. Penso nos que não conseguiram chegar lá e que devem estar, como eu agora, nas Alemanhas da vida precisando de apoio para ler o que nos cerca por todos os lados. Detalhe: aqui não existe tradução de nada do que está escrito publicamente. Nem para o inglês. Daí...tomara que os eleitos entendam este recado.

 

seta

E quando as máscaras caíram...

20/09/2018 09:38

 

...eles, meus filhos todos foram surgindo  e na maior festa aos gritos de Gegê, Gegê, para comemorarem comigo ao vivo e a cores os meus 80 anos. O aniversário, na verdade em 17 de setembro mas eles vieram antes de vários pontos do país para estarem comigo nesse dia. Uma enorme surpresa, algo absolutamente inesquecível, a maior emoção de minha vida. Fizeram questão que fosse no Recife para facilitar o grande segredo. Conseguiram. E lá estavam 10 entre os 13. Uma não pode vir de Orlando porque está em processo de "green card". E dois, tenho certeza, assistiram do céu a festa do papai. Todos estavam mascarados com a minha própria foto e à medida que me cercavam deixavam cair as máscaras. Lindo. Inesquecível. Obrigado, meus filhos. Obrigado minha mulher e companheira de  tantos anos. Obrigado Deus por ter permitido tanta emoção no coração do velho. Que continua ereto, brigando pela vida, lutando pelos espaços, mostrando que enquanto houver vida e DEUS quiser tudo é possível. E, como ELE mandou dizer que quer, vamos em frente que atrás vem gente.  

seta

Mais uma facada na democracia.

07/09/2018 09:10

                        Mais uma? Claro. A facada no Bolsonaro foi física, aparente, desafiadora, ostensiva. Mas diariamente muitas delas estão sendo desferidas contra essa tão desgastada democracia brasileira, ainda jovem, ainda sendo formada no dia a dia de uma política que ainda não encontrou seu verdadeiro rumo. Simbólica, a agressão a um ser humano conhecido deve representar também a enorme insegurança que vive o país que se deixou levar pela ineficácia de seus governantes, dos mais graduados aos de pequenos municípios, todos da mesma importância para que a democracia viva e sobreviva. Não nos importa no fato atual se o candidato a presidente é esse ou aquele. O nome poderia ter sido o de qualquer um mas o ato em si mostrou que não sabemos discutir política em alto nível e que ainda temos grupos radicais que não permitem o livre exercício da palavra que faz parte da mais pura das democracias. Longe de nós acusarmos quem quer que seja pelo desmiolado ato que quase leva a vida de um cidadão brasileiro, por acaso ou não candidato à presidência da república. Fisicamente já conhecemos o agressor; o que não sabemos é o que ele pode representar nesse conturbado momento em que a política brasileira é tão envolvida em escândalos, em desmandos, em prisões, em condenações, e quando situações que precisam ser resolvidas com o poder da palavra e do convencimento o são pelas facadas reais. Enfim, vamos torcer para que nos reste um pouco do espírito democrático ansiado pelo brasileiro para que não tenhamos que enfrentar forças outras tão comuns nas republiquetas e que não podem fazer mais parte do nosso consciente papel.  

seta

Meus pais me levaram. Levei meus filhos.

03/09/2018 08:34

                               Que tristeza! Que saudade dos meus tempos de criança e de jovem, quando por diversas vezes, primeiro levado por meus pais, ia à Quinta da Boa Vista e não deixava de incansavelmente rodar as majestosas salas do Museu Nacional; do Palácio do Imperador como costumava chamar. Um lugar de sonhos, de volta ao passado, de muita história, de muito aprendizado. Situado num dos mais bonitos parques do Brasil, a cada vez que lá ia sentia a vibração da Corte passeando por aquelas trilhas fantásticas à beira do encantador lago e, de longe, como um eterno guardião dos jardins a imponente construção do Paço depois transformado em Museu Nacional. Lá, a imperatriz Maria  Leopoldina assinou a Independência do Brasil ratificada cinco dias depois às margens do Ipiranga por Dom Pedro I. Assistir incrédulo pela televisão as dantescas cenas de um fogo terrível destruindo a história, acabando com 200 anos de memória, transformando em cinzas os testemunhos do que os livros contam, foi triste, tão desolador como se estivéssemos perdendo parte da nossa própria memória. E é aí que vem também a revolta por saber que as causas do incêndio talvez estivessem calcadas no desprezo das autoridades, no despreparo de tantos, na falta de prevenção, na constante e crescente ausência de manutenção, mas sobretudo pela total ignorância do que é cultura, do que é passado e história, do que é respeito pelo próprio país. Que pena! Choramos todos, brasileiros, uma grande perda. Talvez só tenhamos noção da extensão daqui a muitos anos quando precisarmos procurar os testemunhos autênticos de um rico período e apenas encontrarmos as cinzas do passado. Meus pais me levaram e eu vi. Meus filhos mais velhos eu levei e eles viram. E daqui pra frente? Pensem.

seta

Primeira Edição © 2011