Doença de Parkinson: no mês da conscientização, aprenda sobre sintomas e cuidados

Vânia Guelfi, do Residencial para Idosos Jardim das Palmeiras e Dra. Erica Tardelli, fisioterapeuta especialista em Parkinson e presidente da Associação Brasil Parkinson, indicam os cuidados necessários com os idosos que têm essa condição

12/04/2022 20:56

A- A+

Assessoria

compartilhar:

Arte Parkeson.jpg

Abril é o mês de conscientização sobre a doença de Parkinson, que acomete cerca de 200 mil brasileiros. Em geral, a condição aparece a partir dos 60 anos por causa da perda de células nervosas em ritmo mais acelerado do que aconteceria no processo natural de envelhecimento e tem a ver com fatores genéticos e até ambientais. 

Para Vânia Guelfi, gestora do Residencial para Idosos - Jardim das Palmeiras há mais de 20 anos, e Dra. Erica Tardelli, fisioterapeuta especialista em Parkinson e presidente da Associação Brasil Parkinson, é importante falar sobre a doença e os cuidados necessários com ela. Entre os principais sintomas de Parkinson estão:

• Lentidão de movimentos;

• Tremor em repouso (agitação);

• Musculatura rígida (braços, pernas ou tronco);

• Problemas com o equilíbrio e quedas.

Por isso, para cuidar melhor dos familiares que passam por esse processo, Vânia e Erica destacam algumas atenções necessárias. São elas:

• Permita que o idoso faça as coisas no seu próprio tempo, sem apressá-lo;

• Incentive sua movimentação (dentro das possibilidades do paciente);

• Faça adaptações na casa: evite tapetes e fios elétricos soltos; ilumine bem os ambientes e instale barras de apoio, caso precise;

• Estimule atividades prazerosas para o idoso: reunir-se com os amigos, passear, e fazer atividades sociais em geral.

“A doença de Parkinson é degenerativa e pode demandar cuidados que envolvem também medicamentos, fisioterapia e terapia ocupacional, psicoterapia e intervenção cirúrgica. Por isso a importância de ficar atento aos sinais que o idoso dá no dia a dia e evitar possíveis complicações, pois infelizmente a doença ainda não tem cura", diz Dra. Erica.

Primeira Edição © 2011