Prefeito JHC garante aquisição de alimentos da agricultura familiar

26/11/2021 22:08

A- A+

Assessoria

compartilhar:

O prefeito de Maceió, JHC, assinou nesta sexta-feira (26), o contrato para a aquisição de alimentos da agricultura familiar. A assinatura atende a Lei 11.947/2009, que prevê que 30% da compra de alimentos para a merenda escolar seja feita na agricultura familiar, como forma de garantir alimentação de qualidade para os alunos da rede municipal. Com este contrato, o Município ultrapassa a meta fazendo a compra de 40% da agricultura. Ao total vai ser distribuída 1,2 tonelada de alimentos em kits para os estudantes.

“Muitos agricultores vivem disso, sustentam sua família com a agricultura, e aqui vemos a beleza de entregar um alimento rico, com todos os nutrientes, da nossa terra, da nossa Alagoas. Isso é democratizar os recursos do município e compartilhar com quem mais precisa, são duas mil famílias impactadas diretamente. E a gente fica muito feliz de participar dessa maneira e conseguir alavancar essa discussão que vai além daquilo que nos propusemos a fazer de imediato”, afirmou o prefeito.​

Marco – A compra de alimentos vai beneficiar 54 mil alunos da rede municipal e dois mil agricultores dos municípios de Jacaré dos Homens, Coruripe, União dos Palmares, Pilar, Santana do Mundaú, Ibateguara, Branquinha, Atalaia, Joaquim Gomes e Maragogi. De acordo com a coordenadora de Nutrição e Alimentação Escolar da Secretaria de Educação, Anna Luna, é a primeira vez que o município atende a porcentagem estabelecida pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

“Está sendo um marco para a Prefeitura e para a gestão do prefeito JHC, estamos ultrapassando 40% de compra, que é mais que a porcentagem mínima, e com produtos de qualidade. Com isso, garantimos o desenvolvimento sustentável para os agricultores e contribuímos para a política de segurança alimentar, fazendo com que exista alimentação adequada para os alunos e também para os cultivadores”, explicou.

Segurança alimentar – O secretário de Educação, Elder Maia, explicou sobre a política de segurança alimentar do município, e como será feita a distribuição dos alimentos.

“Hoje temos três frentes da política de segurança alimentar na Prefeitura de Maceió, como foi estabelecido pelo prefeito JHC. O Bolsa Escola Municipal, que garantiu que não tivéssemos grande evasão escolar, a segurança alimentar na escola, onde a criança já está assegurada com o café da manhã, e por fim, a agricultura familiar, que são produtos saudáveis que serão distribuídos em quatro ciclos entre dezembro e janeiro para todas as crianças. E a partir da semana que vem as famílias já vão às escolas receber os kits”, explicou o secretário.

Estão sendo investidos R$ 7.252.519,99, que serão destinados para 14 instituições, sendo oito cooperativas e seis associações. Serão distribuídos alimentos como banana, abacaxi, laranja lima, batata doce e leite.

“Passo importante” – Joselito Filho, que esteve representando as cooperativas, contou que a assinatura do contrato representa um passo importante para a agricultura familiar do estado. De acordo com ele, Maceió é um dos poucos municípios que seguem à risca a resolução do PNAE.

“A Prefeitura de Maceió é uma das poucas prefeituras que realizam audiências públicas, que levam em consideração a produção e a capacidade de produção. E a gente estava muito ansioso, para a assinatura do contrato. Além disso, estamos falando de dois mil agricultores que vão reinvestir na sua roça, plantar mais, administrar seu meio financeiro, e movimentar o local que ele está que é a zona rural. Além do ganho nutricional que os alunos vão ter”, disse.

Para o agricultor José Paulo da Silva, do município de Branquinha, ser contemplado pela compra dos alimentos é gratificante. De acordo com ele, os cultivadores produzem, mas não têm mercado. “Ficamos muito agradecidos pelo trabalho do gestor de Maceió, JHC, que está comprando nossa produção da zona da mata. Já tentamos por muito tempo, mas só agora estamos sendo reconhecidos, e agradecemos esse apoio do gestor”, disse.​

Primeira Edição © 2011